Sobre o Simpósio “Impressões- Caminhos da Imprensa no Brasil”

por Larissa Rangel


1. Título??


Realizado nos dias nove e dez de setembro, o Simpósio “Impressões- Caminhos da Imprensa no Brasil” atraiu a atenção de diversos participantes da área de Comunicação Social. O Salão Pedro Calmon, situado na Escola de Comunicação (ECO) da UFRJ, recebeu professores, jornalistas e estudantes. Palestras e debates tratavam da análise cronológica da Imprensa brasileira e de propostas para o futuro, como o “Livro Digital” e o projeto “Pasta do Professor”.

2. “Livro Digital” e “Pasta do Professor”? O que são?
3. O lide não está convidativo, mas um pouco burocrático. A primeira informação que você dá é a data em que aconteceu o evento. Essa é a informação mais importante de todo o texto?


É importante ressaltar que é essencial a participação dos calouros em eventos desse tipo. O coordenador do Setor de Extensão da ECO, Luiz Henrique, afirma que essas são oportunidades cruciais para o conhecimento da área de atuação das habilitações e para a apresentação a diversos autores de livros usados durante a graduação. Os interessados recebem, ainda, certificado de participação. Além disso, o acúmulo de experiências extracurriculares é interessante para a boa formação de qualquer profissional.

4. Quem disse que é essencial? Quem disse que é interessante para a boa formação? Cuidado com juízo de valor! Essas frases poderiam ser retiradas daí. Dê mais atenção ao que o entrevistado fala e não coloque palavras dele na sua boca.


Quanto à programação, em comemoração aos 200 anos desde a chegada da Família Real ao Brasil, a primeira mesa do Simpósio – formada pelos convidados Carla Siqueira (PUC-RJ), Isabel Lustosa (Fundação Casa de Rui Barbosa) e Marialva Barbosa (UFF) e pela mediadora Ana Paula Goulart (ECO/UFRJ) - discutia os períodos históricos por que passou imprensa. Foram retratados a Literatura de Informação do Brasil Colônia, o surgimento do sensacionalismo jornalístico nos anos 20 e o caráter político da mídia dos anos 50.
A segunda mesa – que contou com a presença de Joaquim Palhares (Agência Carta Maior), Pollyana Ferrari (PUC-SP), Sérgio Rego Monteiro (International Newspaper Marketing Association) e Cristina Rego Monteiro ( ECO/UFRJ) - expunha os caminhos a serem tomados pela imprensa brasileira . Assuntos como mídia livre, jornais gratuitos, divulgação online e livros digitais estavam na pauta de discussão.
O segundo dia do evento - de que participaram Aníbal Bragança (UFF), Guilherme Cunha (UERJ), Antônio Laskos (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) e Paulo César Castro (ECO/UFRJ) - foi marcado por análises acerca da produção editorial desde 1808. Para encerrar, o filme “Liberdade de Imprensa” foi exibido e a Exposição “Obras Raras da Biblioteca Central da UFRJ” inaugurada.

5. Não ficou meio chato você ter usado três parágrafos para falar exatamente qual foi a programação? Fica com cara de release e muito cansativo.


Alguns dos pontos que mais levantaram a atenção dos participantes dizem respeito à proposta de uma solução para o fim da “pirataria” de livros e à apresentação do chamado Digital Book (Livro Digital). A Associação Brasileira dos Direitos Reprográficos (ABDR) criou, em sua página virtual, a função “Pasta do Professor”, onde professores cadastrados listam livros ou capítulos de que farão uso durante o curso. Os estudantes têm acesso à lista e tiram cópias “legais” em postos cadastrados, onde o valor arrecadado é voltado ao autor. Por conta da era da informatização, foi apresentado o Digital Book, invento da empresa Plastic Logic: uma espécie de prancheta de plástico, para onde é possível “baixar” conteúdos digitalizados de jornais e livros.

6. Só agora que você explicou a “Pasta do Professor” e o “Livro Digital”, citados no primeiro parágrafo.
7. Por que “baixar” está entre aspas? É a tradução de download, certo?


Eventos como esse costumam ocorrer com freqüência no ambiente universitário. Mas, para que tenham sucesso e sejam úteis, é preciso que haja interesse de todos os alunos, garantem os organizadores. Ao os freqüentar, aprende-se não só sobre a vida acadêmica, mas são adquiridos conhecimentos gerais essenciais.


8. Outra vez juízo de valor. Você está insinuando que a culpa é dos alunos e não dos organizadores do evento por terem divulgado mal. Eu, por exemplo, não concordo com você. Poderia concordar, não importa. A sua matéria,
no entanto, tem que ser isenta. Você está escrevendo para o leitor, não para os organizadores do evento, para os participantes, ou para você mesma.

9. A impressão é que você usou a ordem cronológica dos fatos e não a de importância como havíamos discutido.

10. Faltaram falas dos participantes do evento. Você não me sentir como se eu estivesse lá.
11. Está muito bem escrito, parabéns! As falhas são todas de redação jornalística. Espero que você não veja essas regras como simples burocracia acadêmica. Elas existem para que seu texto flua melhor e evidencie as informações mais interessantes.

Um comentário:

Luiz Henrique Guimarães disse...

Parabéns pelo texto, Larissa. Concordo com a maioria das observações que foram feitas pelos editores.
Só tenho uma correção: eu, Luiz Henrique, não sou coordenador de Extensão da ECO, apenas um estagiário que organizou o evento Impressões. A coordenadora é a Wanelytcha Simonini.
Mais uma vez parabéns a você pelo texto e ao PET pela iniciativa.